Aorlhac – «L’Espirit des Vents»

Os franceses Aorlhac regressam com o seu terceiro registo na forma de «L’Espirit des Vents». Após vários anos de silêncio, é gratificante assistir ao regresso destes senhores e poder ouvir a finalização da trilogia iniciada com «La Croisée des Vents» (2007) e «La Cité des Vents» (2010). «L’Espirit des Vents» conta com 11 faixas sendo um álbum relativamente longo com mais de 50 minutos. A nível lírico, os Aorlhac focam-se na Idade Média, mais precisamente em temas da sua zona de Occitania, que incluía o Sul de França, os vales Occitanos de Itália e a região dos Vales d’Aran, na zona da actual Catalunha. O álbum poder-se-ia definir como uma mistura de Black-Metal com alguns tons de folk e mesmo alguns registos mais épicos. Momentos mais rápidos, como os da primeira faixa “Alderica”, bem como belos riffs mais compassados são o que nos espera ao longo do álbum. De notar que o álbum é bastante multifacetado, sendo que a banda tende a explorar momentos épicos misturados com os acima mencionados. As vozes são agressivas e denotam um certo tom de desespero ao qual o uso da Língua Materna ajuda consideravelmente. De resto, nota-se que a banda continua em forma e que pretendem continuar o trilho iniciado com os dois álbuns anteriores. Em “La revolte des Tuchins” pode-se ouvir um belo lead de guitarra com blast-beats pelo meio, sendo que os Aorlhac adicionam vários elementos ao seu Black-Metal, enriquecendo-o e tornando-o único. “1802-160 Les Mefaits de Mornac” é um outro belo e rápido tema no qual a banda explora os vários aspectos da sua sonoridade, seja em passagens mais ritmadas ou em momentos mais épicos. “La Procession de Trespasses” inicia-se com um incrível riff, desenvolvendo-se em seguida numa música rápida com momentos típicos de Black-Metal. “L’ora Es Vengua” é outro tema no qual os Franceses deixam as suas raízes de Black-Metal tomar o controlo e esta é uma das faixas mais rápidas do álbum. Em resumo, «L’Espirit des Vents» é um excelente álbum com uma mistura saudável de estilos, tornando-o num registo dinâmico e diversificado.

(LADLO Productions)

[9/10] Eduardo Rocha

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*